Foto: ArquivoAs experiências vividas pelo Corpo de Bombeiros nos últimos grandes terremotos desde o de Kobe, há dez anos, serviram para aprender muitas lições a respeito de prevenção e salvamento.

É preciso revisar a colocação dos móveis e utensílios domésticos, prioridades na decoração do interior da moradia e a forma de recolhimento dos móveis. Além disso, é necessário que cada família se prepare contra desastres verificando a sacola de emergência e alimentos de reserva.

Muitos objetos contendo vidro e cerâmica são utilizados em casa, como janelas, guarda-louças, portas e iluminação. Com o terremoto, há possibilidade deles se quebrarem e se espalharem, tornando-se uma arma mortífera. Existem filmes adesivos que são vendidos para vidros, como bloqueadores dos raios ultravioletas, que podem servir para evitar o estilhaçamento de vidro.

Uma das formas de evitar a falta de água é não esvaziar o ofuro. Essa água, substituída diariamente, poderá ser utilizada para lavar roupa ou mesmo no banheiro e até para apagar focos de eventual incêndio.

No blecaute em virtude do terremoto, a tendência é de que toda iluminação existente se apague. É preciso que se tome medidas mesmo na escuridão. Por isso, se houver uma lanterna ou um relógio despertador com os números fosforescentes, que geralmente ficam próximos à cama, servirão de grande ajuda para andar pelo quarto na escuridão. Para que a lanterna seja suficiente para clarear um ambiente fechado, é preciso que se cole papel alumínio no teto.

Com relação aos alimentos para emergência, a pessoa deve comprar água mineral e enlatados em quantidade maior do que é usado no dia-a-dia, para reserva de pelo menos um mês, fazendo rodízio entre os novos e antigos produtos.

Os equipamentos usados para sobreviver ao ar livre são extremamentes úteis para os casos de emergência. Se esse equipamento estiver armazenado dentro de um veículo tipo RV (para usar fora das estradas), servirá como um abrigo.

Em casos de grandes terremotos, a maioria das pessoas que tinham guardado em seu carro esses equipamentos pôde armar barracas em parques ou escolas primárias, podendo sobreviver da melhor maneira possível diante da catástrofe.

O número de famílias que preparam a sacola de emergência tem aumentado, mas a maioria tem guardado dentro dos armários e estantes. Quando ocorre um grande terremoto, os móveis tombam e as casas e os prédios são destruídos. A sacola de emergência deve estar em local de fácil acesso.
da Redação

Publicado originalmente no site do jornal Tudo Bem em 27/03/2005.