Reuters
Banco de dados conjunto de empreiteiras denuncia trabalhadores que não pagam suas contas

Tokyo - Cerca de 50 empreiteiras da região de Chubu (Shizuoka, Aichi, Gifu, Nagano e Yamanashi) têm trocado informações sobre brasileiros que fogem e deixam dívidas pendentes. O assunto já foi reportagem de capa do jornal Tudo Bem em novembro de 2004. A novidade é que as empreiteiras mantêm uma “lista negra” com os nomes de quem dá o calote. A informação foi confirmada por três empreitei-ras que pediram para não serem identificadas.

Segundo apurou o Tudo Bem-, existem cerca de cem nomes no banco de dados. O material é consultado até pela polícia em investigações criminais. O nome de brasileiros que já cometeram crimes, no entanto, não está na lista em comum. Mas há empreiteiras que mantêm um cadastro particular de brasileiros com passagem na polícia.

Cada vez que um brasileiro deixa uma dívida , um fax com o nome do funcionário e o da empreiteira que o empregava é disparado às demais empresas. Com isso, fica quase impossível o funcionário ser contratado por uma destas empreiteiras.

Lista negra
O banco de dados das empreiteiras não especifica o que ocorreu entre o empregador e o trabalhador. Traz apenas o nome do funcionário e a empresa contratante. Mas, segundo apurou o jornal Tudo Bem, quando as empreiteiras recebem o fax já sabem que se trata de problemas financeiros. O principal objetivo é evitar que as demais empreiteiras tomem novos calotes.

A principal causa das dívidas se refere ao valor do aluguel. Outra conseqüência negativa é que há empreiteiras que não fazem mais adiantamentos de salários. Há casos de funcionários que recebiam o vale e deixavam o emprego. “Não queremos que a imagem positiva que a maioria dos brasileiros tem seja contaminada por uma minoria que apronta”, diz o gerente de uma empreiteira. “A lista serve para preservar aqueles que são honestos e trabalhadores”.

Quem vem do Brasil
No início do movimento dekassegui, entre o final da década de 80 e início de 90, era comum histórias de brasileiros que fugiam na calada da noite dos alojamentos. As causas eram as altas dívidas e as péssimas moradias. Hoje a situação é diferente. As empreiteiras têm sido obrigadas a se profissionalizar devido à concorrência, à regulamentação do setor e à fiscalização do governo. Além disso, cada vez mais brasileiros alugam apartamentos por conta própria, o que lhes dá maior independência.

Mas ainda são freqüente os problemas com quem chega do Brasil através das assessorias de viagens (empreiteiras do Brasil que fornecem mão-de-obra para empreiteiras do Japão). Quando uma fábrica abre vagas que precisam ser preenchidas imediatamente, as empreiteiras daqui recorrem às parceiras do Brasil. Mas do momento do recrutamento até o embarque leva, no mínimo, um mês. Quando o dekassegui chega, nem sempre encontra a vaga e os salários que foram prometidos. Assim, os desentendimentos se estendem às empreiteiras no Japão. Há brasileiros que deixam o emprego com dívidas de mais de um milhão de ienes. A maior parte desses casos (dívida de quem chega do Brasil) não vai para a lista negra, já que a dívida é com a agência brasileira. As empreiteiras descontam do salário e repassam para as agências.

Dicas para os trabalhadores

[>] Leia os contratos de trabalho com atenção. Certifique-se de que vai ter condições de cumprir com os compromissos que você está assumindo.
[>] Busque referências da empreiteira com amigos e conhecidos que já trabalharam lá. Pergunte sempre a mais de uma pessoa para ter diferentes pontos de vista.
[>] Alugue um apartamento por conta própria. É o melhor caminho para não ficar na dependência de alojamentos de empreiteiras. Caso seja demitido, não terá que desocupar o imóvel.
[>] Aprenda japonês. Com o domínio do idioma é mais fácil conseguir
um emprego.
[>] Leia mais sobre a legislação trabalhista. Saiba quais são os seus direitos garantidos por lei. Assim fica mais fácil saber se as empreiteiras estão fazendo exigências legais. Ao mesmo tempo, serve para que
o trabalhador não peça benefícios a que não tem direito.
[>] Evite faltar. Se precisar, apresente uma justificativa plausível. Se for possível, com antecedência. Um das principais causas de demissão dentro da fábrica é a falta no trabalho.
Jhony Arai

Matéria publicada na edição #645 do Jornal Tudo Bem

Publicado originalmente no site do jornal Tudo Bem em 17/10/2005.