JTBOs modelos mais comuns de anti-radar custam em média 20 mil ienes e já estão equipados com GPS e diversas outras funções

Não deve ser nada agradável ser fotografado por um daqueles radares de estrada equipados com câmeras fotográficas, cuja finalidade é flagrar motoristas em excesso de velocidade. Esses aparelhos, chamados de “jidou sokudo ihan torishimari souchi” – ou fiscalizador automático de infração de velocidade –, estão instalados nas estradas de grande movimento e nas rodovias expressas (veja quadro nesta página).

Para ajudar o motorista, a solução é instalar no carro um anti-radar (reedaa tanchiki), que detecta as câmeras e informa o motorista com antecedência, através de alarme, voz ou luzes. Apesar de parecer um produto ilegal, esses pequenos aparelhos são permitidos pela legislação e estão à venda em qualquer loja de acessórios para veículos.

Periodicamente, novos modelos surgem, de acordo com os tipos de radares que são instalados nas estradas. O preço médio é de 20 mil ienes, mas os modelos mais novos, com display colorido e sistema digital, chegam ao dobro desse valor.

Até mesmo um anti-radar mais simples possui várias funções que podem ser úteis ao motorista: avisam a aproximação de uma ambulância ou de um carro da polícia, por exemplo. Isso é possível por meio das ondas de rádio de comunicação que as viaturas costumam utilizar. Equipados com GPS (sistema de localização via satélite), os detectores mais recentes passaram a avisar sobre radares do tipo loop coil, que não emitem sinais e não podem ser localizados pelos modelos mais antigos. A maioria dos aparelhos funciona com energia solar ou ligado ao acendedor de cigarros.

FUNÇÕES

ALARME
Avisam, a cerca de um quilômetro de antecedência, a proximidade de radares que emitem sinais para calcular a velocidade do carro. O aviso pode ser através de alarme, música, voz ou luzes piscando, dependendo do modelo.

O problema é que alguns acabam captando outros tipos de sinais, como os de portas automáticas, soando o alarme a toda hora

DETECTOR DE RADARES
Os modelos equipados com GPS detectam radares do tipo loop coil ou LH, que não emitem sinais (a velocidade do carro é medida através de três bobinas instaladas em seqüência sob o asfalto). Esse detector já vem com a localização pré-instalada dos aparelhos nas rodovias e avisa de acordo com o posicionamento do carro informado pelo satélite. Por isso, os radares instalados recentemente podem não ser descobertos. Atualize os dados do aparelho a cada seis meses ou um ano. Isso pode ser feito pela internet em celulares ou computadores (somente alguns modelos)

SINAIS DE EMERGÊNCIA
JTBDetectam os sinais de rádio de comunicação utilizados por ambulância ou viaturas de polícia. Dessa forma, o usuário pode se precaver, reduzindo a velocidade. Mas ainda existem ambulâncias e viaturas que não utilizam os sinais e por isso não podem ser detectados

MINI-NAVEGADOR
Os modelos mais recentes, com display, funcionam como mini-navegadores, mas não fazem a rota do percurso desejado. Eles também indicam a velocidade máxima permitida no local

CUIDADO COM OS RADARES

Localização
Os radares estão localizados em estradas ou rodovias expressas, geralmente nas retas, saída de túneis ou descidas. Normalmente, existem placas avisando a proximidade desses aparelhos (foto), com a inscrição “jidou sokudo torishimari ki”, para alertar motoristas que estiverem em excesso de velocidade.

Funcionamento
Os equipamentos mais antigos medem a velocidade do carro através de sinais em aparelhos instalados sobre a pista (cuidado para não os confundir com câmeras controladoras de tráfico, que não têm a função de aplicar multas). Já os mais recentes, do tipo loop coil ou LH, funcionam com dispositivos instalados sob o asfalto e não emitem sinais. Independente do modelo, há sempre uma câmera colocada poucos metros depois do radar. Ela é acionada por raio infra-vermelho, quando o carro em alta velocidade passa. Um potente flash também é acionado à noite, para registrar, com todos os detalhes, a placa do veículo e o rosto da pessoa que está dirigindo.

Velocidade
De uma forma geral, a câmera fotográfica de um radar é acionada quando o carro está correndo 30 km/h a mais que o permitido em estradas comuns. Por exemplo, se a velocidade máxima permitida for de 60 km/h, o radar entra em ação em veículos acima de 90 km/h. Nas rodovias expressas, a velocidade excedente pode ser de até 40 km/h. Vale lembrar que esses parâmetros podem variar de acordo com a localidade.

EU USO
JTBO anti-radar é muito útil, porque avisa quando a viatura da polícia está perto. Não que eu esteja fazendo algo de errado, mas às vezes preciso atender um telefonema importante quando estou dirigindo e isso pode gerar uma multa. Até os carros de policiais à paisana o anti-radar consegue captar. Os melhores modelos são os equipados com GPS, porque conseguem detectar vários tipos de radar. Já conheci muita gente que foi fotografada na estrada em alta velocidade. Algumas pessoas acham que os aparelhos estão somente por enfeite e acabam abusando
Yasunori Moromizato, 38 anos, de Hamamatsu (Shizuoka)

Publicado originalmente no site do jornal Tudo Bem em 31/01/2007.