As máscaras são eficientes no combate à alergia, e podem ser encontradas nas farmácias japonesas

O kafunsho, como a alergia ao pólen é conhecida no Japão, é um fenômeno que atinge o arquipélago durante a primavera. Ele acontece quando o sugi e o hinoki, espécies de pinheiro típicas do Japão, começam a soltar seus pólens no ar, causando alergia na maioria dos japoneses. Pesquisas indicam que cerca de 20 milhões de pessoas no Japão (1 em cada 5) sofram todo ano com a polinose.

Geralmente, a região mais atingida pelos pólens é Tokai. Porém, este ano as previsões indicam que as províncias da região de Kanto sejam as mais atingidas. Para se informar quanto ao volume de pólen no ar, o governo disponibilizou dois sites, que separam as informações por região: kafun.taiki.go.jp e www.tenki.jp, ambos em japonês.

Os sintomas do kafunsho são parecidos com os de uma gripe normal. Os mais comuns são espirro, dor de cabeça, tosse, coceira nos olhos, coriza, pressão nos ouvidos, mal estar e, nos casos mais graves, febre.

É comum estrangeiros que estão há menos de um ano no arquipélago permaneceram imunes durante a primeira polização, pois o organismo precisa fica exposto ao pólen por alguns meses para desenvolver a sensibilidade.

Ao detectar os sintomas, vá ao setor de otorrinolaringologia (jibika, em japonês) de alguma clínica ou hospital. Um especialista poderá identificar o tipo de alergia e receitar os medicamentos corretos.

EVITE O KAFUNSHO
“¢ Em casa: não estenda roupas do lado de fora da residência e, quando retornar para casa, abane o corpo, as vestes e os sapatos antes de entrar, a fim de não transportar os pólens para dentro. Antes de entrar em casa, passe uma escova em sua roupa para retirar os pólens. Se possível, tome um banho em seguida, lavando principalmente os cabelos e os olhos. Também faça gargarejo para evitar reações na garganta.

“¢ Fora de casa: durante a primavera, nunca saia sem usar a máscara. Ela proteje conta o pólen e pode ser encontrada em qualquer farmácia. Use gorro para evitar que os pólens grudem no cabelo e dê preferência a roupas de algodão (evite as sintéticas, nas quais os pólens grudam com mais facilidade). Se possível, vista uma capa fina (parecida com os aventais de médico) por cima de outras peças, para proteger as vestes de uso diário.

Publicado originalmente no site do jornal Tudo Bem em 25/03/2008.